Ano 3 | Nº 27 | Maio/junho de 2009
Drops
Monteiro Lobato

"Um país se faz com homens e livros".

"Escrever é gravar reações psíquicas. O escritor funciona qual antena – e disso vem o valor da literatura. Por meio dela, fixam-se aspectos da alma dum povo, ou pelo menos instantes da vida desse povo".

"Assim como é de cedo que se torce o pepino, também é trabalhando a criança que se consegue boa safra de adultos".

"Se Chico Xavier produziu tudo aquilo por conta própria, então ele merece ocupar quantas cadeiras quiser na Academia Brasileira de Letras".

"Porque para o homem o clima ‘certo’ é um só: o da liberdade. Só neste clima o homem se sente feliz e prospera harmoniosamente. Quando muda o clima e a liberdade desaparece, vem a tristeza, a aflição, o desespero e a decadência". O Minotauro, 1939.

"A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro da pelagem desse tapete, vivem todos os animais, respeitosamente. Nenhum o estraga, nenhum o rói, exceto o homem".
Miscelânea, 1946.

"O verdadeiro amigo de um pintor não é aquele que o entontece de louvores; mas sim o que lhe dá uma opinião sincera, embora dura, e lhe traduz chãmente, sem reservas, o que todos pensam dele por detrás". Idéias de Jeca Tatu, 1919.

"Futurismo, cubismo, impressionismo e tutti quanti não passam de outros tantos ramos da arte caricatural".  Idéias de Jeca Tatu, 1919.

"O certo em literatura é escrever com o mínimo possível de literatura. (...) a mim me salvaram as crianças. De tanto escrever para elas, simplifiquei-me". Carta a Godofredo Rangel, São Paulo, 1/2/1943.

"Depois que me vi condenado a seis meses de prisão, e posto numa cadeia de assassinos e ladrões só porque teimei demais em dar petróleo à minha terra, morri um bom pedaço na alma".
Carta a Godofredo Rangel, São Paulo, 17/9/1941.

"Há dois modos de escrever. Um é escrever com a idéia de não desagradar ou chocar ninguém (...) Outro modo é dizer desassombradamente o que pensa, dê onde der, haja o que houver - cadeia, forca, exílio". Carta a João Palma Neto, São Paulo, 24/1/1948.

"No fundo, o que há contra mim é inveja em conseqüência de minha vitória comercial nas letras. Até o fim do ano, passo dos 2 milhões em minhas tiragens". Carta a Jaime Adour da Câmara, São Paulo, 10/5/1946.

"Estou condenado a ser o Andersen desta terra - talvez da América Latina".

"Passei nesta prisão, General, dias inolvidáveis, dos quais me lembrarei com a maior saudade. Tive o ensejo de observar que a maioria dos detentos é gente de alma muito mais limpa e nobre do que muita gente de alto bordo que anda à solta". Carta a Horta Barbosa, presidente do Conselho Nacional do Petróleo, abril de 1941.

"O que não somos nunca é ovelha - fiel ovelha do Santo Padre, de Sua Majestade o Rei, do Partido, da Convenção Social, dos Códigos da Moral Absoluta, do Batalhão, de tudo que mata a personalidade das criaturas". Carta a Godofredo Rangel, Fazenda, 7/6/1914.

"A história dos historiadores coroados pelas academias mostra-nos só a sala de visitas dos povos. (...) Mas as memórias são a alcova, as chinelas, o penico, o quarto dos criados, a sala de jantar, a privada, o quintal (...) da humanidade". Carta a Godofredo Rangel, São Paulo, 9/5/1913.

"Meu plano agora é um só: dar ferro e petróleo ao Brasil". Carta a Godofredo Rangel, Nova York, 17/8/1927.

"Nada de imitar seja lá quem for. (...) Temos de ser nós mesmos (...) Ser núcleo de cometa, não cauda. Puxar fila, não seguir". Carta a Godofredo Rangel, São Paulo, 15/11/1904.

"Tudo é loucura ou sonho no começo. Nada do que o homem fez no mundo teve início de outra maneira - mas já tantos sonhos se realizaram que não temos o direito de duvidar de nenhum".
Mundo da Lua, 1923.

"Nunca no mundo uma bala matou uma idéia".

"Acho a criatura humana muito mais interessante no período infantil do que depois de idiotamente tornar-se adulta".

“A consciência do homem comum mora no bolso, eis tudo".

"Erro pensar que é a ciência que mata uma religião. Só pode com ela outra religião".

"A natureza só permite aos gênios uma filha: sua obra".

"Ainda acabo fazendo livros onde as nossas crianças possam morar".



Zezão Concretagem
Aparecida | SP
Tel.: (12) 3105.2812
São José dos Campos
Tel.: (12) 3936-2005
zezaoconcretagem@uol.
com.br


Princesa do Vale Hotel
Rua Domingos Garcia, 30
Centro | Aparecida, SP
Tel.: (12) 3105.6674

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player



Colégio do Carmo
Praça Joaquim Vilela, 360
Guaratinguetá/SP
Tel.: (12) 3132.1722
www.colegiodocarmo.com.br

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player



Posto Arco-Íris
Rodovia Presidente Dutra, Km 75 - Sentio Rio/ SP
Aparecida/SP
††© 2007 • 2014 Jornal O Lince, tem o que ler  | Tel.: (12) 9 9138 5576 | redacao@jornalolince.com.br
  Rua Alfredo Penido, 101, Jardim São Paulo
  Aparecida, SP | CEP 12570-000