Ano 2 | Nº 15 | Março de 2008
Grafias
Gorjeios | Wilson Gorj
  CANÁRIOS

  Tudo se renova. Em nenhum jardim você encontrará as flores da primavera passada.

  Criança extrai alegria de tudo. Para elas, até uma barra de chocolate contém felicidade. Para nós, adultos, contém apenas calorias.

  Ao sair para caminhar, sempre tenho a precaução de retirar o relógio do pulso. Não que isso tenha a ver com o medo de ser roubado. Não. A razão é outra. Quando caminho, gosto de me sentir livre. Pelo menos, nessa hora, não quero estar algemado ao tempo.

  ARARAS

  O bom vizinho é aquele que nunca deixa o barulho, os odores e os problemas de sua casa ultrapassarem os muros que a cercam.

  Há cinturas de mulher que nos lembram a pista de Interlagos. Umas, por causa das curvas. Outras, pelos pneus.

  De muitas mulheres só notamos a presença quando elas nos dão as costas.
  Toda sua personalidade está concentrada ali, em sua região glútea.

  ROUXINÓIS

  O amor é um deus pagão –– não se contenta com adorações, quer sacrifícios.

  O amor, por si só, já é uma poesia.
  Todo poema de amor é mera redundância.

  Idade só é importante para os formulários. Entre um homem e uma mulher, o que vale não é a idade afim, e sim a afinidade.
  CORUJAS

  Toda vez que um bando de idiotas rir de você, dê-se por satisfeito.
   O riso deles o exclui da categoria.

  O espelho nos reflete a aparência tal como somos.
   A sociedade é um espelho que devolve a nossa imagem tal como a cremos.

  Enquanto você não der a dimensão que sua vida precisa, enquanto continuar limitando-a em um âmbito medíocre, seus olhos sempre tenderão a bisbilhotar a vida alheia.
   A maledicência e os mexericos jamais partem dos que vivem grandemente.

  CORVOS

  A inveja, por ser feia demais, usa máscaras. Os invejosos sempre procuram motivos substitutos para encobrir a verdadeira razão de sua implicância.

  Sistema penitenciário. Os peixes miúdos estão condenados a viver em aquários apertados. Os tubarões, quando não gozam de plena liberdade, desfrutam a regalia dos cativeiros suntuosos.

  As pessoas não se contentam apenas com a existência de um lugar, onde poderão gozar, para todo o sempre, as maravilhas conquistadas por sua boa conduta, aqui, na Terra. Além do Paraíso, elas querem o Inferno. A felicidade suprema seria insuficiente, se não houvesse a danação eterna para os seus inimigos.

Wilson Gorj

Escritor
gorj@jornalolince.com.br

Supermercado Santa Cabeça

Rua Benedito Macedo, 301

Ponte Alta

Aparecida, SP

Tel.: (12) 3105-2058

  © 2007 • 2014 Jornal O Lince, tem o que ler  | Tel.: (12) 9 9138 5576 | redacao@jornalolince.com.br
  Rua Alfredo Penido, 101, Jardim São Paulo
  Aparecida, SP | CEP 12570-000