Ano 2 | Nº 17 | Maio de 2008
Grafias
Quadras & Trovas | Wilson Gorj
Prosa
O amor é assim:
um diálogo sem-fim.
Quando a voz se cala,
o silêncio é quem fala.

Suspensão
Ao seu lado, não sei das horas.
Do tempo me esqueço.
Mas se você vai embora
Só eu sei o quanto envelheço.

Marcas
A perda de um grande amor
sempre deixa profunda ferida.
Um dia ela se fecha. Mas a cicatriz
continua pelo resto da vida.

Ladrão
O Amor me pegou de supetão:
“Mãos ao alto!
Isso é um assalto!”
E me roubou o coração.

Apego
Seu amor era tão forte
Que, por asfixia,
Levou à morte
O amor que eu sentia.

Sina
É uma lástima,
Mas todo homem quer
Que o amor da mulher
Tenha gosto de lágrima.

Sempre-viva
Permanece sempre viva
a saudade da gente.
Teimosa sensitiva
que nunca está dormente.

Bijuteria
Seu amor era um sentimento barato.
Tão falso que ela o chamava de love.
Até parecia que tinha sido comprado
numa dessas lojas de 1,99.

Jardim
Cândidas estrelas,
banhadas sois em cores.
Quem dera fôssemos abelhas
e vós, lindas flores.

Desencanto
O velho moinho não brinca
mais com o vento.
Tornou-se sério,
parece até um monumento.

Ao léu
O barco de papel
navega pela sarjeta,
como um sonho de criança
esquecido na gaveta.

Noturno
O gato olha o infinito.
Transmite seu sossego.
É negro, é sinistro
como o vôo do morcego.

Plebe
Os pardais vulgares,
numerosos e agrestes,
são a plebe dos ares:
os pobres celestes.

Banho
Eu me banho no rio.
No rio, me banho.
E toda vez que saio do rio
é a paz que eu ganho.

Outono
Geme o vento
na árvore desolada.
Cada folha caída
é uma lágrima rolada.

Efêmera
Tem hora que a vida
parece uma pia:
ora se enche de poesia,
ora, de repente, se esvazia.

Aula de história
A burrice como regra,
A inteligência, a exceção.
Isso tem sido uma constante
Na História da Civilização.

Semente da fé
Quem atirou a imagem ao rio?
Certamente, o autor desse mistério
nem desconfiava que, com seu
gesto, semeava um império.

Cisco
O sopro da vida nos lança à existência
Como um cisco no olho do tempo.
E aqui ficamos até que a morte
Nos arraste como um pé-de-vento.

MÁXIMAS
I.
Se sua sabedoria
não o conduz à alegria,
penso que ainda é cedo
para chamá-la de sabedoria.
II.
Ao praticar o bem, faça-o
sem esperar reconhecimento.
As boas ações são doações,
não são investimentos.
III.
Dentro do sorriso,
há um instante feliz.
Fora da ferida,
a futura cicatriz.


Wilson Gorj

Escritor, autor do livro Sem Contos Longos
gorj@jornalolince.com.br

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player



Alcelétrica
Av. Padroeira do Brasil, 685
Aparecida/SP - (12)3104.1700
Av. J.K. de Oliveira, 890
Guaratinguetá/SP
(12) 3128.6907
www.alceletrica.com.br


Polimédica
Avenida Padroeira do Brasil, 689
Vila Mariana
Aparecida, SP
Tel.: (12) 3105.1377


USEFAZ
Av. Padroeira do Brasil, 957
Guaratinguetá/ SP
Tel.: (12) 3133.6260
usefaz1@uol.com.br


Gustavo Lopes
Rua José Monteiro Amaral, 357
Jardim Paraíba
Aparecida/SP
Tel.: (12) 3105.8439
Cel.: (12) 9744.1194
a.gustavo.lopes@uol.com.br
  © 2007 • 2014 Jornal O Lince, tem o que ler  | Tel.: (12) 9 9138 5576 | redacao@jornalolince.com.br
  Rua Alfredo Penido, 101, Jardim São Paulo
  Aparecida, SP | CEP 12570-000